Jovens Empreendedores

Canarana realiza atividades com estudantes da rede municipal sobre empreendedorismo na pandemia

Estudantes da rede municipal de Canarana criaram brinquedos ecológicos, plantaram temperos, fizeram comida em casa como parte do programa Jovens Empreendedores Primeiros Passos do Sebrae/MT

O mundo precisou se adaptar às novas realidades impostas pela pandemia da covid-19. Aulas online ou acompanhamento remoto das atividades educacionais foram alternativas para não interromper o processo de ensino-aprendizagem. As mudanças encaradas por estudantes de diversos níveis exigiram a ampliação da capacidade criativa para lidar com o momento adverso. O município de Canarana, a 838 km de Cuiabá, possui experiências positivas na manutenção das atividades e dos conteúdos de educação empreendedora aplicados junto aos alunos do ensino fundamental da rede pública do município.

Exemplo disso é que mesmo em situação de isolamento social, durante a pandemia, nove escolas municipais mantiveram os trabalhos do Programa Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP), do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Mato Grosso (Sebrae/MT), de forma bastante proativa. Ajustes como videoaulas gravadas pelos professores e encaminhadas aos grupos de WhatsApp de cada turma e a prática de tarefas a distância são algumas das ações realizadas.

Segundo a assessora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação de Canarana, Elaine Noeli Elsenbath, as escolas buscaram manter suas atividades de forma remota, por meio de grupos de WhatsApp, Instagram, Facebook e outras tecnologias acessíveis.

“Esse é o terceiro ano que trabalhamos com o JEPP e devido a pandemia tivemos que mudar nosso planejamento. Inicialmente ficamos um tempo sem atividades e depois começamos a trabalhar de forma remota. Enviamos para cada aluno um livro impresso sobre o programa e os professores elaboraram uma sequência de atividade remotas para serem impressas e enviadas semanalmente aos alunos. Além dos vídeos pelas mídias sociais e Whatsapp. Cada escola com sua estratégia”.

A intenção foi proporcionar aos alunos e seus familiares a vivência de experiências colaborativas de aprendizagem por meio da educação empreendedora, incentivando-os com novas aprendizagens, apresentando novos conhecimentos e aprimorando comportamentos empreendedores como: comprometimento, busca de informações e rede de contatos, independência e autoconfiança, entre outros. 

“Ao final do projeto o normal seria a realização da Feira do Empreendedorismo onde as crianças com o auxílio da família e dos professores, colocam em prática o que aprenderam. Porém com a pandemia foi necessário se reinventar e realizar as ações em casa. E cada escola escolheu a melhor forma para conseguir fazer isso. Mesmo com os desafios de trabalhar remotamente observamos o empenho de todos”, conta.

Aplicação prática

Segundo a diretora da escola Emeb Nova Era, Marinalda Ferreira Costa, foi proporcionado aos estudantes e seus familiares a vivência de experiências colaborativas de aprendizagem por meio da educação empreendedora, incentivando-os com novas aprendizagens, apresentando novos conhecimentos e aprimorando comportamentos empreendedores.

“Exemplo disso, são os alunos do segundo ano, que escolheram trabalhar com temperos naturais. As professoras enviaram algumas sementes como coentro, alho com broto e cebolinha e sugeriram plantar com a ajuda da família, voltado para o consumo próprio. Já o quinto ano com a colaboração dos pais, fizeram comidas e simularam a venda para familiares ou conseguiram realmente vender nos arredores. Os alunos também fizeram vídeos sobre os produtos que estavam ofertando, alguns ainda deram dicas de receitas. E apesar dos desafios desenvolver e realizar este trabalho de forma remota só foi possível devido o empenho e o envolvimento das famílias na execução das atividades propostas”, destaca.

A escola rural Emeb Coronel Vanick, também teve sucesso com as ações do JEPP. A diretora, Joelma Furlan Trodo, conta que devido à distância, o WhatsApp e as mídias sociais foram grandes aliados.

“Os alunos do terceiro ano escolheram como parte final do JEPP confeccionar brinquedos ecológicos, então a professora pesquisou sobre o assunto, preparou vídeoaulas que foram enviadas aos pais para que eles pudessem, com materiais que possuíam em casa desenvolver os brinquedos. Outro exemplo é dos alunos do sexto ao nono ano, as professoras realizaram uma pesquisa pela internet sobre o lixo produzido em casa e decidiram na temática: combate à dengue. Como eles ainda não finalizaram, será realizado um ‘Dia D’ e todos os alunos irão limpar o quintal de sua casa, voltado para prevenção”, ressalta.

Segundo a gestora estadual do Programa Empreendedor do Futuro do Sebrae em Mato Grosso, Kristianny Arruda, com o auxílio do Sebrae as escolas conseguiram articular o conteúdo de Educação Empreendedora com processos de desenvolvimento de competências que podem ser realizados em casa no dia a dia.

“Mostramos que envolvendo as famílias, as atividades do programa poderiam ocorrer com adaptações é claro. Mas apesar das dificuldades é muito gratificante saber que esse conteúdo, ajudou essas crianças a soltar energia, inclusive proporcionando uma aproximação e participação junto com seus pais. Há relatos ainda de que as atividades do JEPP uniram mais pais e filhos”, relata.

A gestora lembra ainda que, para as escolas que estão tendo algum tipo de dificuldades, o Sebrae/MT se coloca à disposição para auxiliá-las em relação a aplicação remota do JEEP e outros produtos da educação empreendedora.