SOBREVIVÊNCIA DAS EMPRESAS

MEIs são mais vulneráveis

Em Mato Grosso, 29% das empresas desse porte fecham nos primeiros 5 anos de atividade. O Sebrae oferece consultorias para evitar o problema

Mato Grosso possui uma taxa de mortalidade entre as empresas de pequeno porte de 27%, ou seja, negócios que fecham em até 5 anos de atividade. No universo dos pequenos negócios, os Microempreendedores Individuais (ME) são os mais vulneráveis, com uma taxa de mortalidade (de 1 a 5 anos) de 29%; nas Micro Empresas (ME) a taxa é de 21,6%; e as Empresas de Pequeno Porte (EPP) apresentam o menor índice, 17%.

Os dados são da pesquisa Sobrevivência das Empresas, feita pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com coleta dos dados, por telefone, com um público de 3.047 empresas brasileiras, criadas em 2018 e 2019, sendo 142 de MT. O tempo de sobrevivência é calculado com a subtração da data de baixa do CNPJ pela data de criação do CNPJ na Receita Federal do Brasil.

Considerando as atividades econômicas, a maior taxa de mortalidade é verificada no comércio (30,2%) e a menor na indústria extrativa (14,3%).

Valéria Ribeiro Calisto, analista técnica do Sebrae  MT, destaca que entre os fatores que contribuem para o fechamento precoce de empresas estão pouco preparo pessoal, falta de plano de negócio, falta de gestão empresarial, insuficiências no planejamento; falta de adaptação/diferenciação produtos/serviços; dificuldade de acesso a crédito; sem falar nos problemas que vão além do negócio, como a pandemia da covid-19 e a crise econômica.

Os donos dos novos empreendimentos abrem a empresa com pouco preparo pessoal, 41% dos respondentes eram funcionários de empresa privada antes de abrir seu próprio negócio. Outros 37% eram autônomos sem empresa constituída. A proporção de quem “tinha experiência ou conhecimento no ramo” é maior nas empresas em atividade, 73% contra 67% das empresas fechadas.

Em média 42% fizeram alguma capacitação. A maioria dos que fechou as empresas não fez nenhuma qualificação.

O empreendedorismo por necessidade e não por oportunidade também é um ponto levantado. Grande parte dos ouvidos que fecharam suas empresas pouco tempo depois de abertas, estava desempregada e procurando trabalho até 3 meses antes de abrir o negócio. Nesse grupo 59% estavam com a empresa fechada.

Outro problema para o insucesso é a falta de planejamento. Quando questionados sobre quanto tempo foi dedicado a essa preparação e busca de informações antes de abrir a empresa, 59% dos entrevistados gastou no máximo 6 meses e 17% não fez nenhum planejamento.

Mesmo assim, dentre as empresas que fecharam 34% dos ouvidos citou que acesso mais facilitado ao crédito seria uma solução para evitar o fechamento e 25% indicaram que se tivessem mais clientes ainda estariam operando.

Radar de oportunidades

Segundo dados da pesquisa Global Entrepreneuship Monitor (GEM) 2020, uma parte significativa de novos negócios estão surgindo impulsionados pela crise. Neste cenário, o empreendedorismo se torna uma alternativa de renda.

Para ajudar esses novos empreendedores, a GEM traz alguns passos apontados por especialistas para serem considerados antes de abrir um negócio. Entre estão o acesso à informação, planejamento e conhecimento de mercado, identificar as aptidões, detectar a necessidade do público consumidor, avaliar se a ideia é economicamente viável, fazer uma análise da concorrência.

Muitos desses pontos são contemplados no Radar Sebrae de Oportunidades, ferramenta de inteligência de mercado do Sebrae MT que auxilia o empreendedor com informação sobre a conjuntura de negócio da região de interesse em todos os municípios de Mato Grosso, mostra o ambiente competitivo e dados sobre o púbico alvo do empreendimento.

Ele pode ser acessado gratuitamente e atua com 3 linhas: para quem tem uma ideia de negócio e precisa validar; para os que já tem um negócio e desejam expandir para outras regiões; e para quem necessita ampliar a visão do ambiente de negócios que atua.

Os dados são trabalhados a partir de um olhar mercadológico, mais competitivo, apontando possíveis concorrentes, onde está o mercado consumidor. O Radar trabalha com informações de cenário, empresariais e urbanas de cada um dos municípios, relevando oportunidades de negócios ao pequeno empreendedor através de atendimento digital gratuito.

Amanda Afonso Alves, também analista técnica do Sebrae MT, explica que a ferramenta serve como fonte de informação confiável e insumo para planejamento e decisões estratégicas na gestão empresarial para que os novos empreendedores possam permanecer em atividade e se desenvolvam de forma sustentável.

“O foco do Radar Sebrae de Oportunidades é levar a inteligência de mercado ao pequeno negócio e ao potencial empresário, fornecendo informações sobre o ambiente de negócio para gerar vantagem competitiva e diminuir o risco de fechamento das empresas, pautando as decisões estratégicas”, conclui.

Qualquer empresário pode acessar no link https://radarsebrae.com.br/